domingo, 30 de dezembro de 2012

Feliz Ano Novo a todos! Enfim acaba 2012, um ano péssimo... Se eu contasse tudo que aconteceu nesse ano ninguém iria acreditar. Mas é preciso ter em mente que todos os problemas, todos os males, são passageiros. Só existe um mal de verdade: o eterno. No mais, tudo é irrelevante. E, se pensarmos bem, nossas dores têm pouca monta diante mesmo de suas congêneres temporais: essas famílias hoje no meio da guerra na Síria sobrevivem, enquanto reclamamos; as crianças que tiveram diante dos olhos corpos amontados durante os muitos anos da Segunda Guerra não deixaram de se reconstruir, enquanto culpamos presente e passado pelas nossas limitações. 


O ano encerrado foi ainda pior que 2006. Mas minha cabeça não é mais como era --talvez eu tenha me tornado insensível, talvez tenha empedrado o peito, mas certamente aprendi uma coisa: os problemas se resolvem, não nos devem ser objeto de preocupação, de desespero, pois eles terão um fim. Que ao término das coisas seja feita a vontade de Deus, sem que nossa ansiedade tente apressá-la. Que venham, no seu tempo, as coisas boas e as más. Hão de vir as más, porque a existência é repleta de traumas, mas mescladas a elas virão também as boas, que nos consolarão. E sim, no ano findo também boas coisas aconteceram e fizeram nascer a esperança.

2 comentários:

  1. Na verdade já aconteceram, isoladamente, coisas piores que as de 2012. A gente acaba se acostumando com o absurdo.

    ResponderExcluir
  2. O ano de 2013 vai ser melhor sim. A vida da gente vai se organizando conforme o tempo passa. A gente acumula experiência, aprende a responder aos eventos, amadurece nossa reação. Agrada-me lembrar dos Cavaleiros do Zodíaco, pensar que a vida é assim: primeiro a orfandade e o treinamento exaustivo, que nos preparam para o torneio; o torneio nos prepara para lutar com o Fênix; lutar com o Fênix nos prepara para os Cavaleiros de Prata; estes nos preparam para a Batalha das Doze Casas e seus Cavaleiros de Ouro. A gente vai superando uma coisa a cada dia. Temos metas imediatas, mas o objetivo final não conhecemos ainda. A finalidade desse treinamento cotidiano é superar um desafio maior que há de se apresentar um dia. Pensando bem, nosso objetivo na vida não é nada menor do que vencer o maior dos anjos, que caiu dos céus... Em tudo mais forte e inteligente do que nós... Então Deus nos treina em longos anos de vida para que, em uma fração de segundo, no final, consigamos dizer não a ele...

    ResponderExcluir