quinta-feira, 31 de outubro de 2013

A memória às vezes é um flagelo. Ela torna presentes, em um único instante, todas as coisas. E a gente inevitavelmente acaba por se perguntar qual é o saldo disso tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário